quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Aprender duas línguas pode ajudar pessoas com Alzheimer

Cientistas testaram cerca de 450 pacientes diagnosticados com Alzheimer, sendo que metade deles falava duas línguas e a outra metade só falava uma. Entretanto, apesar de todos eles apresentarem o mesmo nível de disfunção cognitiva, os bilíngues tinham sido diagnosticados com a DA quatro anos mais tarde e os sintomas da doença apareceram cinco anos depois, prova que o aparecimento da doença foi atrasado consideravelmente.
O curioso foi que exames do cérebro de pacientes bilíngues mostraram deterioração avançada, porém não era visível por seus comportamentos ou habilidades. Além disso, este grupo agia como os pacientes cuja doença é menos avançada. Ser bilíngue não previne o aparecimento da DA, mas permite viver melhor com ela.
Outros estudos mostraram que os benefícios do bilinguismo também são aplicáveis às pessoas que aprenderam uma língua estrangeira em um estágio mais tarde na vida. Isto ocorre porque o estudo de outra língua exercita partes do cérebro, entre as quais o lobo frontal, que refere-se a capacidade de pensar de forma complexa, extremamente importante para o pensamento humano e atenção. Assim, o cérebro fica preparado para lidar com situações difíceis, como o Mal de Alzheimer.

  Nesta imagem podemos notar que o aprendizado de uma segunda língua pode ativar mais áreas do cérebro.

Cientistas e médicos também recomendam que além do bilinguismo as pessoas façam palavras cruzadas, sudoku, ou jogos que exijam grande trabalho para o cérebro.






Referências bibliográficas:
-www.naoacredito.blog.br
-www.ensinobilingue.com.br
-www.acienciahoje.pt  

Um comentário:

  1. Realmente. Eu sou professora de espanhol e trabalho especialmente com grupos de terceira idade. É muito divertido porque o curso é totalmente holistico comunicativo e eles adoram, alem é claro de saber que estão protegendo o cérebro.
    Caso alguem esteja interessado pode entrar em contato comingo pelo facebook.

    ResponderExcluir