terça-feira, 18 de outubro de 2011

FASES DA DOENÇA

Em que fase está a doença?Esta pergunta é frequentemente feita pelos cuidadores e familiares do paciente. Estatísticas mostram que a maioria dos pacientes(aproximadamente 95%) falecem nos primeiros 5 anos, porém, foram registrados casos com 10, 15, 20 anos ou mais de evolução




-FASE INICIAL
Esta é uma fase crítica e delicada pelo fato de que após determinados os sintomas os familiares acreditam que seja apenas um processo natural do envelhecimento e deixam evoluir sem procurar ajuda médica. É fato que ainda não exista um tratamento curativo para a doença, entretanto, um diagnóstico precoce é fundamental para o retardamento do aparecimento de complicações físicas e pisíquicas, logo, é fundamental que esta fase seja valorizada.Na teoria, esta fase dura aproximadamente de 2 a 4 anos. No começo as alterações são lentas, especialmente para os pacientes de bom nível intelectual e social, esses se adaptam com mais facilidade à algumas deficiências.A primeira marca e a mais característica é o comprometimento da memória recente e fixação, essas são falhas esporádicas que causam no indivíduo e familiares um sentimento de normalidade.


Ocorre também episódios de desorientação espacial, e a associação frequente de sintomas depressivos com a doença está comprovada.
Dois grupos comportamentais são observados, um pela apatia, passividade e desinteresse e o outro um comportamento mais agressivo e egoísta.
Essas alterações são dadas porque o indivíduo percebe suas dificuldades, que se agravam e não apresentam melhoras.
Esta fase é difícil também para quem convive com o paciente, em virtude de explosões,mudanças bruscas dos costumes e comportamentos que causam nas pessoas em volta um sentimento de angustia.
É presente também neste estágio uma dificuldade de comunicação e distúrbios do sono marcando a fronteira na passagem para a fase intermediária.





-FASE INTERMEDIÁRIA
Esta fase é caracterizada fundamentalmente pelo agravamento dos sintomas presentes na fase inicial e pode durar de 3 a 5 anos. Há também nesta fase um comprometimento das atividades instrumentais e operativas, perda do poder de expressão pela fala e pela escrita, perda de compreensão da palavra falada ou escrita, sem alteração nos órgãos vocais(afasias), incapacidade de executar os movimentos apropriados para as atividades cotidianas(apraxias) e também ocorre perda do poder de reconhecimento perceptivo sensorial, visual, táctil, visual, etc.

É comum os pacientes apresentarem quadros de agitação, alucinações, dificuldade de reconhecer cuidadores e familiares, desenvolvimento de atividades sem objetivos, ilusões, total desorientação de tempo e espaço, repetição de palavras, textos sem nexo, grande sentimento de possessividade, confabulação(falar só), tremores e movimentos involuntários.
Dever ser advertido que apesar de essas manifestações possam apenas ser características da doença, deve-se fazer a distinção entre a evolução da doença e a presença de doenças subjacentes que possam estar ocorrendo.Esta fase exige do cuidador tempo e paciência pois pela perca da fala, as perguntas devem ser claras e sucintas, exemplo: "Você quer uma maçã?".
Nesta fase há um total estado de dependência e a pessoa não mais sobrevive sozinha.





-FASE FINAL
A evolução da doença costuma ser mais rápida quando ela se instala mais cedo.
A duração desta fase varia de acordo com alguns fatores como: cuidados preventivos, medicamentos adequados e boa orientação da família. Nesta fase a memória antiga se mostra bastante prejudicada ou totalmente comprometida , convulsões, indiferença ao ambiente, aparecimento de incontinência urinária e fecal, quedas acidentais com fraturas se tornam mais frequentes, os indivíduos podem até não se reconhecerem se colocados em frente ao espelho, se não houver um cuidado minucioso podem aparecer ulceras por pressão devido a grande permanência em poltronas ou em leitos. A marca para a fase terminal é o caminho para um acamamento e suas complicações.


-FASE TERMINAL
Esta fase é caracterizada pela restrição durante quase todo o tempo no leito. Os indivíduos adotam uma posição onde, os membros inferiores não se movem, os superiores adotam uma posição junto ao tórax e a cabeça pende em direção ao peito.

É consequentemente maior o aparecimento de úlceras, total incontinência fecal e urinária e só há resposta a estímulos dolorosos, estado vegetativo.
A alimentação é feita por sucção ou muitas vezes é necessário o uso de alimentação enteral. Nesse estágio a falência é questão de tempo devido a processos infecciosos.






É importante ressaltar que esta divisão tem efeito didático e demonstrativo, não há fronteiras precisas e bem definidas já que a doença pode variar de pessoa para pessoa. E mesmo com os cuidados adequados alguns pacientes acabam atingindo essa triste condição,a diferença é que com os cuidados a fase terminal deverá ocorrer mais tardiamente.

Referências bibliográficas:
www.alzheimermed.com.br
www.revistacorpore.com.br
www.igospel.org.br
www.medicinageriatrica.com.br
www.dihitt.com.br

7 comentários:

  1. Interessante! :D Estão indo bem =)

    ResponderExcluir
  2. Minha mae esta numa fase de dormir muito

    ResponderExcluir
  3. A minha mãe, já está acamada há 9 anos.

    ResponderExcluir
  4. Para muitos cuidadores, parece está no fim do poço. Me sentir assim, até que Deus abriu meus olhos e hoje, já estou cursando o último semestre de Pedagogia; um sonho que eu havia virado a página. Deus tem promessa para filhos que honra os pais.

    ResponderExcluir
  5. Nao e facil e exige muito dos cuidadores temos que pedir força pra deus e seguir em frente.

    ResponderExcluir
  6. Anjos do Alzheimeir é o que somos. É um luto diário, durante anos e anos, renunciando a nós mesmos, em prol do doente. É a mais cruel da doenças!

    ResponderExcluir
  7. Anjos do Alzheimeir é o que somos. É um luto diário, durante anos e anos, renunciando a nós mesmos, em prol do doente. É a mais cruel da doenças!

    ResponderExcluir