sábado, 3 de dezembro de 2011

Alzheimer e Entretenimento


O mal de Alzheimer, sendo um tema tão atual, ganha um enorme espaço a cada dia nos assuntos e no cotidiano das pessoas, sejam elas leigas ou renomados cientistas. Tal fenômeno se dá pelo fato da doença vir se tornando algo bem mais comum. Hoje, há sempre “aquele” amigo ou vizinho que lida com o problema por possuir alguém, sobre seus cuidados, que possua a doença.

O propósito, ao trazer este tema na postagem é para você que nunca tenha tido contato com alguém com o mal de Alzheimer ou deseja saber um pouco mais dos sintomas e aspectos comportamentais, foram separados três filmes, de diferentes gêneros e que foram sucessos nos cinemas do mundo inteiro, e que direta ou indiretamente retratem o problema.

O primeiro e mais recente filme, chama-se Amizade Colorida, é uma comédia romântica ao qual se tem o problema de modo secundário, pois o pai de Dylan (Justin Timberlake), conforme nos mostra o filme, sofre com a doença, que já permite o idoso sair de casa sem as calças e esquecer pessoas próximas, como seu filho.

O segundo filme chama-se Planeta dos Macacos- A Origem e trata-se de uma ficção científica, em que um cientista, vivido pelo ator James Franco, busca a cura do mal de Alzheimer, doença que acomete a saúde do seu pai. Após uma tentativa frustrada de apresentação do medicamento, Will Rodman, o cientista, decide levar o remédio para casa e aplicar no seu pai, pois ele já não suporta ver o declínio cognitivo de alguém tão querido. No entanto, tal droga possui um efeito positivo, só que Will vê que é temporário, pois em seres humanos ela tem um poder muito mais destruidor do que se possa imaginar.

O terceiro filme, O Diário de uma Paixão, é um drama romântico que conta a história de um casal na qual a mulher sofre do Mal de Alzheimer, então seu esposo, muito apaixonado, resolve pegar o diário da amada e passa a contar a ela toda trajetória que eles viveram juntos, que tratava-se de uma linda história de amor que ela mesma, em outros tempos, havia confidenciado ali.

Tais filmes, apesar de suas particularidades, possuem pontos comuns. Em todos eles fica evidente o sofrimentos das famílias pelo estado em que o idoso se encontra, o que nos mostra que a doença envolve muito mais do que se possa imaginar, pois não afeta só o doente, mas, principalmente, as pessoas que convivem com estes indivíduos e que possuem vínculos afetivos com eles. Notar como a doença se desenvolve e onde ela pode chegar, também são importantes fatores a seres observados nestes filmes Há ainda inúmeros filmes não citados aqui, mas que retratam a doença e que valem a pena assistir.


FONTES BIBLIOGRÁFICAS:

http://www.google.com.br/imgres?q=cinema&start=124&um=1&hl=pt-BR&biw=1228&bih=783&tbm=isch&tbnid=CHBl0KfS8_I4gM:&imgrefurl=http://www.sobralportaldenoticias.com/v1/category/cinema/&docid=QOl94x77udSbJM&imgurl=http://www.sobralportaldenoticias.com/v1/wp-content/uploads/2011/06/cinema1.jpg&w=302&h=320&ei=xU3bTsD3BIni0QHlwa37DQ&zoom=1&iact=rc&dur=413&sig=110493786008225170599&page=6&tbnh=123&tbnw=116&ndsp=25&ved=1t:429,r:11,s:124&tx=48&ty=66

http://www.adorocinema.com/filmes/ Em: 03 de dezembro de 2011

Chá Verde pode ser um aliado no combate contra Alzheimer


O mal de Alzheimer, sendo um tema extremamente explorado por pesquisadores do mundo inteiro, trouxe para nós uma informação muito importante. Trata-se de sua relação com o chá verde, que, segundo um estudo japonês, pode ser um grande aliado na prevenção da doença.

Este grupo de pesquisadores japoneses contatou em um experimento com ratos que o extrato do chá, pelo menos quando composto em sua maioria por catequina (63%) e substâncias como epicatequina, epigallocatequina e epicatequina gallate em menores porcentagens, teria um alto poder antioxidante, capaz de combater o acúmulo da proteína beta amilóide (causadora da doença, como enfatizado em postagens anteriores) e melhorar o desempenho mental de quem o consome. Não foi informado se o propósito inicial do projeto se referia a doença.

Tal experimento procedeu-se da seguinte maneira: foram divididos dois grupos de ratos, aleatoriamente selecionados, nos quais o primeiro grupo serviria para que fosse feito o controle e o outro receberia o extrato. Posteriormente, ambos os grupos receberam uma dosagem de beta amilóide e foram colocados em um labirinto. No entanto, o grupo que teria recebido o chá, mostrou-se mais ágil e mais eficiente, no que se refere á capacidade cognitiva. Tal grupo apresentou ainda uma maior resistência à proteína injetada.

Baseados nisto, pesquisadores que desenvolveram o projeto, acreditam que o consumo de chá verde por humanos, a longo prazo, pode ajudar a manter distante o mal de Alzheimer, mesmo que ainda não se saiba se os resultados seriam os mesmos obtidos em ratos.

Segundo a pesquisa, caso este experimento tenha o mesmo resultado, seria necessária uma quantidade próxima a três litros do referido chá por dia, caso não se levasse em conta os outros alimentos com propriedades antioxidantes que se ingere diariamente.

O consumo do chá verde no mundo ainda é pequeno, no entanto, vem crescendo a cada dia.


FONTE BIBLIOGRÁFICA:

Jornal de Bioquímica Nutricional
Publicado em linha à frente de impressão, DOI:

"Green tea catechins prevent cognitive deficits caused by A-beta-1-40 in rats"

Autores: Abdul M. Haque, M. Hashimoto, M. Katakura, Y. Hara, O. Shido

file:///C:/Documents%20and%20Settings/Administrador/Meus%20documentos/Downloads/cha.htm

Chocolate amargo ajuda na prevenção do Alzheimer.

O chocolate amargo pode ter vários benefícios, se for consumido de forma moderada. E um ótimo antiinflamatório que pode ajudar a diminuir inflamações crônicas que causam doenças como diabetes, infarto e Alzheimer, essa ação deve-se ao fato do chocolate ser rico em flavonóides.

Flavonóides são antioxidantes encontrados na planta do cacau, com uma capacidade intensa de combater os danos dos radicais livres. Eles também impedem a morte celular, mesmo que esta célula já esteja lesionada, o que oferece uma esperança para reverter os danos cerebrais em pacientes que tenha Alzheimer. Segundo Ken Miller, MS, do Centro Hershey para Saúde e Nutrição, o cacau natural contem o mais elevado nível de antoxidantes, após o processamento a maioria dos nutrientes, se não todos, são destruídos.

Assim o chocolate chamado ao leite tem menos benefícios, pois em seu processamento e adicionado bicarbonato de sódio perturbando o pH natural do cacau. E no chocolate amargo mantém uma alta concentração de sólidos de cacau após seu processamento.

Referencias bibliográficas:

http://www.livestrong.com/article/460675-healthy-chocolate-and-alzheimers/#ixzz1fKo6YcQN

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Açafrão pode ser um aliado no combate ao DA


O açafrão é rico em curumina, que contém propriedades antioxidantes, que reduz a formação de radicais livres prejudiciais às células, previne a disseminação das placas amiloides cerebrais, e tem um efeito neuroprotetor, o que pode torná-la uma grande aliada no combate de doenças como o Alzheimer, Parkinson e até mesmo o câncer.

Investigadores norte-americanos descobriram que a incidência de Alzheimer em países tem um elevado consumo de açafrão é menor e o tratamento com açafrão ajuda as células imunes e elimina as placas que causam a demência. Recomenda-se a ingestão de duas a três vezes por semana, porém tudo em excesso faz mal e em altas doses a curumina passa a ajudar na formação de radicais livres em vez de reduzir.

Referencias bibliográficas

http://revistapesquisa.fapesp.br/?art=4053&bd=1&pg=2&lg=

http://mulher.pt.msn.com/saude/article.aspx?cp-documentid=154428802

http://anti-envelhecimento.blogs.sapo.pt/101041.html


Tratamentos inovadores para o Mal de Alzheimer

Médicos espanhóis desenvolveram um tratamento multi-sensorial que se aplica aos pacientes em fase avançada da DA. Trata-se da estimulação  dos sentidos com cores, sons, luzes e odores para que  deste modo haja uma associação entre os sentidos e as lembranças do passado. Este tratamento não detém o avanço da doença, porém durante o tempo da sessão alguns comportamentos típicos do Alzheimer desaparecem.

Sala 3D usada no tratamento multi-sensorial para pacientes com DA.

Na Finlândia, robôs foram programados para comandar exercícios físicos e testes que auxiliam pacientes com DA. Criados por engenheiros da Coréia do Sul, os robôs ainda são um pouco limitados pois não tem braços nem pernas, entretanto eles passam instruções de atividades físicas para os idosos,assim como fisioterapeutas.

Robôs usados no tratamento.

Iniciativa inédita no Brasil, cães estão sendo usados para interagir com idosos portadores de Alzheimer. A presença dos cães serve não apenas para ativar a memória recente dos pacientes, mas também para melhorar o humor e estimular o contato físico.
Os cães são tocados e acariciados pelos idosos, e no fim de cada sessão os pacientes são perguntados sobre a cor e o nome dos animais. Além disso, o contato com os animais faz com que o idoso faça exercício físico ao se abaixar para jogar uma bola ou brincar com os cães. Para este tipo de tratamento é importante que o cão além de limpo e saudável, seja muito dócil para permitir a manipulação física em qualquer parte do seu corpo.


Tratamentos como estes permitem aos pacientes com Alzheimer uma melhora significante em sua qualidade de vida!

Referências Bibliográficas:
-www.latinuxmagazine.com
-www.vetmovel.com.br
-www.tvig.ig.com.br

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Aprender duas línguas pode ajudar pessoas com Alzheimer

Cientistas testaram cerca de 450 pacientes diagnosticados com Alzheimer, sendo que metade deles falava duas línguas e a outra metade só falava uma. Entretanto, apesar de todos eles apresentarem o mesmo nível de disfunção cognitiva, os bilíngues tinham sido diagnosticados com a DA quatro anos mais tarde e os sintomas da doença apareceram cinco anos depois, prova que o aparecimento da doença foi atrasado consideravelmente.
O curioso foi que exames do cérebro de pacientes bilíngues mostraram deterioração avançada, porém não era visível por seus comportamentos ou habilidades. Além disso, este grupo agia como os pacientes cuja doença é menos avançada. Ser bilíngue não previne o aparecimento da DA, mas permite viver melhor com ela.
Outros estudos mostraram que os benefícios do bilinguismo também são aplicáveis às pessoas que aprenderam uma língua estrangeira em um estágio mais tarde na vida. Isto ocorre porque o estudo de outra língua exercita partes do cérebro, entre as quais o lobo frontal, que refere-se a capacidade de pensar de forma complexa, extremamente importante para o pensamento humano e atenção. Assim, o cérebro fica preparado para lidar com situações difíceis, como o Mal de Alzheimer.

  Nesta imagem podemos notar que o aprendizado de uma segunda língua pode ativar mais áreas do cérebro.

Cientistas e médicos também recomendam que além do bilinguismo as pessoas façam palavras cruzadas, sudoku, ou jogos que exijam grande trabalho para o cérebro.






Referências bibliográficas:
-www.naoacredito.blog.br
-www.ensinobilingue.com.br
-www.acienciahoje.pt  

Relação entre obesidade e o Mal de Alzheimer

Pesquisa feita em uma Universidade em Los Angeles mostrou um padrão de volume cerebral reduzido em portadores de uma sequência de DNA específica, localizada dentro do gene associado com massa gorda e obesidade. Chamado FTO este gene leva as pessoas a comerem em excesso.
 A redução cerebral apresentou uma média de redução de 8% no tecido do lobo frontal do cérebro responsável pela tomada de decisões complexas, e de 12% nos lobo occipital responsável pelo processamento de imagens.
A presença deste gene alelo está relacionado com a circunferência abdominal, entretanto ainda não foi identificado o mecanismo responsável pela atrofia cerebral causada pelo alelo.

Regiões do cérebro evidenciando seus lobos.

A obesidade causa danos a vasos sanguíneos cerebrais, levando a morte de células que podem causar demência. Além disso é um fator de risco para declínio cognitivo e surgimento de várias doenças como diabetes, hipertensão entre outros. Entretanto, o que os cientistas afirmam é que a variedade genética deste gene alelo pode contribuir para a degeneração cerebral e surgimento do Mal de Alzheimer.


Referências bibliográficas:
-www.revistarx.com.br
-www.veja.abril.com.br
-www.corposaun.com

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Analgésicos podem ajudar no tratamento contra Alzheimer


Um pequeno estudo realizado recentemente por pesquisadores da Inglaterra e da Noruega apontou um fato que por muito tempo, não era enfatizado. Trata-se das possíveis dores presentes em pessoas que têm o Mal de Alzheimer e que, pela dificuldade de expressão e comunicação, eles não conseguiriam expressar. Atentos à isto, especialistas fizeram um experimento com 352 idosos que possuíam a doença em estágios moderado e grave, em que uma parte do grupo ingeria analgésico junto com as refeições e a outra parte seguia sua rotina normal. Após 8 semanas, teve-se uma redução significativa (de 17%) de sintomas de agressividade e agitação da doença.

Geralmente, o Mal de Alzheimer é tratado com medicamentos antipsicóticos que possuem propriedades sedativas, no entanto, especialistas supõem que tais remédios tendem a agravar a demência, uma vez que eles trabalham diretamente no sistema nervoso a fim de “desligar” o paciente da situação em que se encontra no referido momento da dosagem. Além disto, segundo estudiosos, o uso desses medicamentos ainda pode aumentar o risco de derrames, podendo levar a morte.

Diante de tais resultados, conclui-se que, se a referida agitação e agressividade for conseqüência de algum tipo de dor, que possivelmente terá difícil diagnóstico, um tratamento a base de analgésicos resultaria na diminuição do uso de antipsicóticos. Os pesquisadores têm buscado incentivar que outros especialistas evitem prescrever antipsicóticos e passem a receitar analgésicos, pois para quem desenvolveu o estudo, tal conclusão é vista como um grande avanço, já que permite que os idosos com Alzheimer recebam cuidados mais eficazes, contribuindo assim para um maior bem-estar. Não foi descobeta ainda a cura para o mal de Alzheimer, mas dependendo da forma a qual se lida com ela, a doença pode ser controlada. Vale ainda ressaltar que qualquer medicação deve ser feita sob orientação médica.


FONTE BIBLIOGRÁFICA:

http://www.abraz.com.br/noticia/2

Alipoproteína E ( ApoE) Relacionada a DA


A alipoproteína E(ApoE) é uma glicoproteína composta por 317, aminoácidos sendo uma das principais proteínas do plasma humano, além de ser a principal alipoproteína do cérebro , ela pode ser classificada em 3 tipos: ApoE2, ApoE3 e ApoE4, cada pessoa herda um gene ApoE de cada um dos pais, e sua frequência é de aproximadamente 8%, 78% e 14% respectivamente.
Receptor de LDL, atuação do HMG.CoA redutase e reciclagem do colesterol.

Localizada no cromossomo 19, é sistetizada primeiramente por astrócitos (células do tecido nervoso) do cérebro. Uma de suas funções é capturar o colesterol e os triglicerídeos dos detritos celulares, fazendo o transporte dessas moléculas para as células neuronais (e outros diferentes tecidos), onde são ultilizadas na formação das membranas sinápticas, além de ser o principal componente das lipoproteínas de muito baixa densidade(VLDL), e de outro grupo de alta densidade(HDL).


Pessoas que herdam a ApoE4 tem uma probabilidade maior de desenvolver a doença de Alzheimer de início tardio, lembrando ressaltar que esse não é um componente necessário para se desenvolver a doença, sendo apenas classificado como um fator de risco.
Existem possíveis causas que poderiam estar associando a DA com A ApoE4. Uma delas seria a de que a beta-amilóide (Ab) solúvel estaria interagindo com a ApoE, estando associada a uma partícula lipídica, sofrendo endocitose mediada por um receptor. Por intermédio de enzimas as lipoproteínas são digeridas em um compartimento lisossômico, onde há a liberação de colesterol para a célula, já nos lisossomos, uma parte de ApoE-Ab é degradado, o resto da molécula continua associada e a Ab que se agrega a fibrilas amilóides que são secretadas de volta para o meio extracelular. A ApoE4 tem uma melhor interação com a Ab, do que com os demais tipos, podendo acelerar o processo.
Processo de apoptose neuronal por intermédio de ApoE4.
Outra maneira de buscar uma explicação é onde a, ApoE facilita diretamente a entrada de Ab, no meio intracelular, aumentando também a taxa de produção de beta-amilóide, intermediada pelo aumento de colesterol, esse é liberado na membrana celular. A alipoproteína tende a conter mais colesterol, o que aumenta a taxa de esterol intramembranar promovendo uma alta na taxa de produção de beta-amilóide, que é liberada no meio extracelular.
Apesar dos diversos estudos que apontam para essa proteína, há muitos mistérios a serem desvendados, com esse avanço, os achados genéticos poderão ser utilizados no diagnostico precoce da demência, no seu tratamento e ate mesmo na elaboração de estratégias de prevenção. Porém como já dito antes aqui somente a ApoE é insuficiente para o diagnostico de Alzheimer.




Referencias Bibliográficas:
www.scielo.br
Livros:
-Genética molecular Humana- Mecanismos das doenças herediatárias- Autor: Jack J. Pasternack
-Tudo sobre donça de Alzheimer- Respostas ás suas dúvidas- Autores: Harry Cayton, Dr.James Wariner e Dr. Nori Graham.

Uma alimentação saudável pode prevenir contra o Alzheimer

Uma alimentação saudável é fundamental na prevenção contra o Alzheimer . Um exemplo disso são os nutrientes presentes em azeites, nozes e vegetais, que exercem uma proteção sobre o cérebro.

Pesquisa feita pela Universidade Columbia, Estados Unidos, e publicada na revista científica Archives of Neurology, mostra que uma alimentação rica em azeite de oliva, nozes, peixes e algumas frutas e vegetais pode proteger contra o Alzheimer.

“Os benefícios da alimentação estão mais relacionados ao papel dos antioxidantes que evitam a deposição de radicais livres nos neurônios”, explica o neurologista Paulo Bertolucci, da Universidade Federal de São Paulo. Isso provoca a morte dessas células, levando a doenças como o Alzheimer. “No entanto, o estresse também tem um papel no desenvolvimento dessas doenças”, lembra o neurologista.

Os pesquisadores colheram informações de 2.148 voluntários com mais de 65 anos e os avaliaram por quatro anos. A cada 18 meses, eles eram testados para detectar o Alzheimer. Foi observado que os que consumiam maior quantidade de alimentos como tomates, vegetais de folhas verdes escuras e crucíferos (como o brócolis) tiveram um risco 40% menor de desenvolver a doença que os outros integrantes. Esses alimentos são ricos e ácidos graxos, ômega 3 e 6, vitaminas E e B12, nutrientes relacionados a benefícios como a prevenção do envelhecimento. A dieta das pessoas também era pobre em carnes vermelhas e gorduras saturadas.



Referencias bibliograficas

http://www.google.com.br/search?q=alimenta%C3%A7%C3%A3o+previne+alzheimer&ie=utf-8&oe=utf-8&aq=t&rls=org.mozilla:pt-BR:official&client=firefox-a

Ingestão de ácido fólico reduz o risco de Alzheimer.


Segundo uma pesquisa publicada no jornal da associação do mal de Alzheimer, o consumo de quantidades significativas de ácido fólico pode reduzir o risco de DA.
O ácido fólico é uma vitamina hidrossolúvel,uma forma sintética do folato (vitamina B), está substância é necessária para a síntese de outras substâncias encontradas no sistema nervoso como: neurotransmissores, mielina e fosfadilcolina.
As fontes dietéticas deste nutriente são: foleosos verde-escuros, frutas cítricas, grãos integrais, ervilha, feijão e alimentos fortificados com ácido fólico.
O ácido fólico também reduz a homocisteína (quando ingerido adequadamente), o que ajudaria na prevenção da doença, pois indivíduos com o mal de Alzheimer apresentam também uma maior concentração de homocisteína no organismo quando comparadas a pessoas que não possuem a doença, um estudo realizado por pesquisadores da Universidade da Georgia recruta pessoas afetadas pela doença a participarem da pesquisa, porém, os mesmos estudiosos revelam que uma alta ingestão dessas proteínas também pode vir a ocasionar danos, como por exemplo ao nervo periférico.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Vinho tinto contra o Alzheimer

Estudos da Universidade de Gothenburg, na Suécia, constatam que o vinho tinto pode proteger contra demência, incluindo o Mal de Alzheimer. O estudo começou acompanhando o habito de vida de 1.458 mulheres, divididas entre os tipos de bebidas alcoólicas que consumiam e a frequência deste consumo. Os resultados mostraram que o nível de demência entre as que consumiam vinho foi menor do que a média. Esse nível não foi identificado em outras bebidas, incluindo cerveja.

O responsável por isso é um polifenol chamado resveratrol, esse antioxidante e encontrado na pele e semente das uvas. O resveratrol aparentemente pode eliminar os efeitos tóxicos de uma proteína associada ao Alzheimer, o peptídeo Aβ1-42 (amilóide-beta), que é uma proteína formada por placas que prejudicam a saúde cerebral.

As pesquisas realizadas comprovam que o resveratrol desmancha as placas ameaçadoras que se formam as placas e conservam aquelas que não prejudicam a saúde.

Referencias bibliográficas

http://www.umpaposobrevinhos.com.br/2008/11/vinho-e-alzheimer.html

http://www.outramedicina.com/455/vinho-tinto-contra-o-alzheimer

http://www.mundodastribos.com/alzheimer-vinho-pode-ser-aliado.html

Teste do fluído espinhal pode detectar a doença.



Um novo estudo revela que um teste líquido do fluído espinhal pode ser bastante preciso em identificar pacientes que estão a caminho de desenvolver a doença.
O mal de Alzheimer se mostra uma doença silenciosa, pois especialistas afirmam que a doença se inicia em um período muito precoce até os primeiros sintomas. Sendo assim, um diagnóstico pode evitar que seja tarde demais para salvar o cérebro.
Devido a má reputação do modo em que o fluído é extraído, há ainda muitos questionamentos acerca do assunto, pois o método de punção lombar causa desconforto e irritação dos pacientes, além disso não se sabe a segurança do método, pois este, pode variar de consultório para consultório sendo assim deve haver uma aceitabilidade do paciente envolvido.
(punção lombar)

As opiniões são distintas, pois alguns especialistas se dizem contra, pelos riscos envolvidos, e outros estudiosos se encontram a favor do teste, pois segundo eles, esta decisão cabe a uma relação médico e paciente, além disso, o teste seria um bom diagnóstico efetivo da doença.
O estudo analisou fluidos espinhais de pessoas com DA e quase todas as pessoas analisadas apresentaram um nível característico das proteínas beta amilóide e tau que se acumulam nas células nervosas mortas encontradas no cérebro.
O estudo revelou um número considerável no número de pessoas que após 5 anos desenvolveram a doença, aproximadamente 3/4, e cerca de 1/3 os médicos acreditavam que chegariam a desenvolver problemas de memória em um maior espaço de tempo.
De acordo com a hipótese mais aceita do Alzheimer, o acúmulo dessas proteínas é necessário para o desenvolvimento da doença, e que a interrupção das mesmas ocasionaria uma parada no desenvolvimento da doença.
Há previsão do teste ser comercializado e este apresenta uma evolução das pesquisas que envolvem a doença e sua cura.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Família pode ser a esperança para a cura do Alzheimer

Cientistas realizaram testes envolvendo drogas consideradas possíveis curas para a Doença de Alzheimer, em testes envolvendo uma família colombiana que apresenta um tipo hereditário da doença.

Na família citada, os casos de DA se desenvolvem geralmente muito cedo. Um exemplo disso é Johnhaider que apenas com 53 anos já se apresenta no estágio final da doença, geralmente só alcançado a partir dos 65 anos.

O médico que identificou o caso foi Francisco Lopera, neurologista da universidade de Antioquina, em Medellín. Ele deparou com seu primeiro caso no início da década de 1980.

"Eu vi um homem de 47 anos com um tipo de demência que era muito similar ao Mal de Alzheimer. Aquilo era curioso, porque ele era muito jovem", afirma.

Após cerca de uma década de pesquisas, o médico conseguiu formar a árvore genealógica da família e a partir de então isolar o gene associado à doença prematura, descobrindo-se assim se tratar de uma mutação chamada 'paisa', se o pai e a mãe têm o gene paisa, há 50% de chances de que o seu filho também o tenha. Então metade da família colombiana carrega este gene.

Os cientistas vão testar na família drogas criadas para atacar a placa neural que se acumula nos cérebros de todos os pacientes com Alzheimer, formando uma placa, essa placa é o resultado de uma disfunção que leva o organismo a produzir a proteína chamada amilóide.

Apesar de ainda não se ter certeza de que a DA seja causada pela placa amilóide, os pesquisadores têm focado em drogas que actuam sobre essas placas para que se consiga atrasar, ou até mesmo impedir, o desenvolvimento da doença.

http://integras.blogspot.com/2011/05/familia-colombiana-e-esperanca-em.html?utm_source=BP_recent

terça-feira, 29 de novembro de 2011

A importância do Cuidador e dos Grupos de Apoio

O Alzheimer é uma doença do envelhecimento como já havia sido tratado aqui no blog antes, e infelizmente mais comum do que pensamos. Em um momento como esse tanto na vida de quem descobre a doença, quanto de familiares e amigos próximos, a descoberta da demência é um impacto muito grande, além de ocasionar uma série de mudanças no cotidiano de todos. Muitas vezes a mudanças drásticas podem gerar vários conflitos, desestruturando em alguns sentidos a vida das pessoas envolvidas tanto emocionalmente, financeiramente, dentre outras coisas, uma família que tem que lidar com a nova realidade.
É importante saber que além dos portadores de Alzheimer, os cuidadores também necessitam de auxilio, que os oriente em como lidar com o portador e o que fazer, por isso além de consultas médicas, é aconselhável uma ajuda extra. Grupos de apoio podem ser uma solução viável, além de ajudarem a cuidar do doente também dão suporte ao cuidador, que tem papel fundamental no auxilio ao doente.

O CUIDADOR
Na grande maioria da vezes o cuidador, assume um papel que foi imposto a ele pela circunstância, e não por algo que ele aparentemente escolheu , mesmo ele tomando para si a responsabilidade de cuidar de alguém com a doença de Alzheimer. Porém assumir uma responsabilidade desse tamanho não é uma tarefa fácil, ainda mais quando uma pessoa apenas assume essa função.
Na maior parte dos casos, esse cargo é ocupado por mulheres próximas ao portador de Alzheimer, mas principalmente por alguém que já mora com o idoso.
Para a pessoa que assume essa tarefa é importante conhecer e aprender sobre a doença, como por exemplo: quais os principais sintomas, as fases, o que pode ser prejudicial, a doença no contexto geral. Para o trabalho do cuidador também é importante haver planejamento , pois além de cuidar de outra pessoa o cuidador deve se prevenir de forma que ele tenha uma qualidade de vida boa, o que é necessário para cuidar de outra pessoa. Assim o trabalho do cuidador se tornara muito mais eficiente, melhorando o cotidiano de ambas as partes, em toda a demência.
Para quem cuida do doente, além do tempo dedicado ao portador de Alzheimer, é importante um tempo dedicado a ele mesmo, um período de férias, um tempo pra descanso, distrações e diversão poder ser extremamente importante para uma boa relação entre o cuidador e o paciente.

GRUPO DE APOIO
Hoje no Brasil o grupo de assistência mais conhecido é a Abraz- associação brasileira de Alzheimer, que é uma entidade privada de natureza civil. Oficializada em 16 de agosto de 1991, atualmente com 18 regionais espalhadas pelo país e membro da ADI Alzheimer's Disease International, tem como missão, "Ser o núcleo central de todos aqueles envolvidos com a doença de Alzheimer e outras demências, reunindo familiares, cuidadores e profissionais. Oferecendo meios de utilização, permitindo intercâmbio e apoiando ações voltadas ao bem estar do portador, da família, do cuidador e do profissional".
Das diversas atividades que o grupo realiza esclarecimentos e divulgação, a respeito da doença, bem como a implantação e a expansão das ações através das Regionais e das Sub-Regionais da ABRAz. Outros objetivos também são almejados pela associação como:
· Representar os interesses das pessoas com demencia junto ao governo federal, estadual e municipal Implantar e implementar grupos de apoio.
· Ministrar cursos de atualização.
· Produzir material informativo.
· Organizar congressos e jornadas.
· Esclarecer dúvidas e orientar quanto aos procedimentos voltados ao atendimento do paciente.
· Implementar e expandir as ações através das Regionais, Sub-Regionais e Grupos de Apoio.
(Dados, retirados do site da instituição, Abraz)
A associação também realiza reuniões com o intuito de oferecer às famílias apoio e informação específica relativos à demência. Os grupos podem ser extremante importantes pois, um grupo de apoio pode fazer uma pessoa que convive com a doença de perto se sentir mais controle, da sua vida, a partir do momento que entende melhor o funcionamento da doença, além de poder também trocar experiências com outras pessoas que vivem a mesma realidade.


Referencias Bibliográficas:
www.abraz.com.br
Livro: convivendo com o Alzheimer manual do cuidador-
Autor: Márcio F. Borges - médico geriatra e coordenador da Sub-regional da ABRAz
Juiz de Fora - MG